Produtores da Comunidade Quilombola São Miguel tem programa de preservação do Cerrado

Depois de contribuir de forma decisiva para que o programa “Pequenos Negócios no Campo” se tornasse realidade e propiciasse ao município de Maracaju o prêmio “Prefeito Empreendedor” pela segunda vez, o diretor do Departamento Agropecuário da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Eloar Castelaci, está envolvido em mais uma parceria voltada aos pequenos produtores rurais de Maracaju.

Agora, o Departamento Agropecuário Municipal firmou uma importante parceria com os pequenos produtores da Comunidade Quilombola São Miguel com o objetivo de promover a preservação de um dos mais importantes biomas brasileiros, o Cerrado.

O projeto que tem como parceiro o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Mato Grosso do Sul – Sebrae/MS -, através do projeto Fortalecimento da Cadeia Produtiva da Bioeconomia do MS, além de ampliar a competitividade dos pequenos negócios da cadeia produtiva, contribui com a inclusão social e com a valorização da biodiversidade.

De acordo com Eloar Castelaci, o projeto apoiado pelo Sebrae/MS, busca tornar a atividade agropastoril mais forte e competitiva, por meio do desenvolvimento de ações de incentivo à transformação a vida das famílias que atuam no campo e se enquadram no perfil de agricultores familiares ou pequenos produtores.

Nesse sentido, uma reunião importante foi realizada no início do mês para tratar o assunto, evento que contou com a presença das consultoras do Sebrae/MS, Andréa Afif  Elossais e Meiryélle Deboleto Oliveira, e do diretor do Departamento Agropecuário Municipal, Eloar Castelaci.

Por sinal, Eloar afirma que o Departamento Agropecuário sempre teve presença ativa e dinâmica na busca do desenvolvimento econômico e sustentável do município e, em especial, naquela Comunidade Quilombola São Miguel que sempre demonstrou potencial de crescimento. “Com essa parceria, a Comunidade Quilombola que já nos presenteou com o prêmio ‘Prefeito Empreendedor’, sobe mais um degrau no conceito estadual pela sua preocupação com a preservação do bioma em que estão inseridos, aliando o potencial econômico, à sustentabilidade e à preservação do Cerrado Brasileiro” frisou o diretor.