Gráfico demonstra situação da colheita do milho no Centro-Sul de MS

Luiz Guilherme – Maracaju Hoje
A Federação da Agricultura de Mato Grosso do Sul – Famasul – divulgou novo boletim que apresenta como está a colheita do milho safra 2019/2020 em todas as regiões do Estado, e no Centro-Sul, incluindo o município de Maracaju, foram colhidos até 24 de julho, 11,9% de toda a área plantada. Gráfico apresentado no relatório aponta a cidade com variação de colheita entre 2% e 6%.
Segundo a Famasul, os trabalhos estão mais avançados na região Norte de MS que abrange Sonora, Pedro Gomes, Coxim, Rio Verde de Mato Grosso, São Gabriel do Oeste, Camapuã, Bandeirantes, Rio Negro, Corguinho, Rochedo e Jaguari. Por lá, a área colhida corresponde a 15% do total cultivado.
E como adiantado pelo Mercado Agro na edição passada deste semanal, a estimativa é produzir 8,650 milhões de toneladas, tendo em vista que até o momento, foram colhidas, em média,76 sacas por hectare. Inicialmente, a previsão era de 72 [sacas por hectare], e produção de 8,195 [milhões de toneladas].
Com o avanço gradual da colheita do milho segunda safra, as projeções de produtividade de 72 sacas por hectare e produção de 8,195 milhões de toneladas tiveram uma leve alta em Mato Grosso do Sul. Até agora têm sido colhidas, em média, 76 sacas por hectare, e a estimativa é de produzir 8,650 milhões de toneladas.
A região centro está com a colheita mais avançada, com média de 8,9%. Rio Brilhante e Sidrolândia colheram 10% de suas áreas cultivadas. Voltando para o Norte do Estado, o município de Alcinópolis tem, em média, 35% dos trabalhos já concluídos, maior índice estadual.
Na safra 2018/2019, Mato Grosso do Sul cultivou 2,173 milhões de hectares de milho segunda safra e produziu 12,157 milhões de toneladas, com produtividade média ponderada de 93,23 sacas por hectare, segundo a Famasul.
O volume menor esperado para 2020 vai além da redução da área plantada, conforme a entidade. Primeiramente, a implantação de 71% das lavouras até 13 de março, que era a melhor janela para plantio. “O fator determinante para que haja essa redução de produtividade é o clima, com estiagens e irregularidades nas chuvas, pois podem prejudicar o desenvolvimento fenológico e reprodutivo da cultura”, menciona trecho do boletim.
COMERCIALIZAÇÃO – Ainda segundo o boletim da Famasul, quase metade do milho segunda safra cultivado no Estado já foi comercializada. O índice atual de comercialização chegou a 48,30%, o que representa um avanço de 7% no comparativo com o mesmo período do ciclo anterior, de 40,32%.

Luiz Guilherme

Publicitário, pós-graduado em Comunicação e Jornalismo, jornalista do Jornal Maracaju Hoje e colunista do Mercado Agro